Inquisição

Anúncios

Correção 2EM APP1 HIST 2o.Bim

 

  1. (2,0) A imagem acima refere-se a uma das homenagens ao que se pode entender como mito fundador paulistano, as Bandeiras. Em referência a tal movimento histórico cite seus três ciclos.

 R: Preação, contrato e ciclo do ouro.

2. (2,0) A expansão da colonização na América portuguesa, nos séculos XVII e XVIII, ocasionou o surgimento de novas atividades econômicas, de núcleos de povoamento e de caminhos e estradas, como os que compuseram a Estrada Real. Cite a principal atividade econômica que condicionou o surgimento dos caminhos da Estrada Real e identifique os interesses da Coroa portuguesa em controlar esses caminhos, no decorrer do século XVIII.

R: Mineração. Fiscalização, controle e monopólio sobre os impostos.

 

3. Na imagem ao lado, Bolívar, o capitão da equipe de futebol gaúcha do Sport Club Internacional, levanta a Taça Libertadores da América em 18.08.2010. Sobre as semelhanças entre história e futebol, responda:

 

a)      (1,0) Qual a origem da denominação do campeonato sulamericano de futebol interclubes?

R: O nome tem origem no título conferido aos criollos responsáveis pelo processo de emancipação, os Libertadores da América.

b)      (1,0) Qual coincidência pode-se explorar a partir do trecho de introdução e os Libetadores da América, sobretudo na região do Alto Peru?

R: Capitão do clube e o líder da independência têm o mesmo nome, Bolívar.

 

“Fizemos a Itália, agora temos que fazer os italianos”.

“Ao invés da Prússia se fundir na Alemanha, a Alemanha se fundiu na Prússia”.

4. (2,0) Estas frases, sobre as unificações italiana e alemã:

a) aludem às diferenças que as marcaram, pois, enquanto a alemã foi feita em benefício da Prússia, a italiana, como demostra a escolha de Roma para capital, contemplou todas as regiões.

b) apontam para as suas semelhanças, isto é, para o caráter autoritário e incompleto de ambas, decorrentes do passado fascista, no caso italiano, e nazista, no alemão.

c) chamam a atenção para o caráter unilateral e autoritário das duas unificações, imposta pelo Piemonte, na Itália, e pela Prússia, na Alemanha. 

d) escondem suas naturezas contrastantes, pois a alemã foi autoritária e aristocrática e a italiana foi democrática e popular.

e) tratam da unificação da Itália e da Alemanha, mas nada sugerem quanto ao caráter impositivo de processo liderado por Cavour, na Itália, e por Bismarck, na Alemanha.

  1. (2,0) A partir da análise da bandeira abaixo e de seu contexto histórico, assinale a alternativa correta.

a) A bandeira de Minas Gerais traz na figura a tríade de liberdade, igualdade e fraternidade, ideais iluministas, já que o movimento pretendia a emancipação da região frente à metrópole lusitana.

b) A bandeira de Minas Gerais demonstra duas ideologias distintas: os colonialistas e os imperialistas; por fim a República acaba sendo proclamada por Tiradentes, influenciado pelo Iluminismo.

c) A frase na bandeira mineira, que em português significa: “Libertas que será também”, influencia a população a proclamar a Independência do Brasil.

d) O triângulo mineiro se justifica na bandeira do estado pelo evento histórico ocorrido naquelas terras:  a proclamação da república de 15 de Novembro de 1889.

e) Todas as alternativas estão corretas.

 

Correção 1EM FILO APP1 2o.Bim

  1. A filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e levá-la a sério? Sim e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e enfim, em terceiro lugar, porque nela está contido o pensamento: “Tudo é um”. (Friedrich Nietzsche, “Os filósofos trágicos”, in: Os pré-socráticos,  Col. Os pensadores. São Paulo, Abril Cultural, p. 16)

a)    (1,0) Que denominação se dá ao primeiro grupo de filósofos responsáveis por tais proposições?

R: Pré- Socráticos

b)    (1,0) Como os filósofos gregos chamavam a preocupação exposta na primeira razão do trecho acima?

R: Cosmologia

As discussões iniciais sobre Lógica foram organizadas por Aristóteles no texto conhecido como “Organon”, onde o filósofo sistematiza e problematiza algumas das afirmações que tinham sido feitas pelos pré-socráticos Parmênides e Heráclito.

  1. (2,0) Descreva uma contrariedade entre as posturas filosóficas de Parmênides e Heráclito.

R: Enquanto Parmênides prega a imutabilidade da natureza e a trata como ilusória, Heráclito é partidário do conceito de que tudo flui, ou seja a natureza é um movimento constante.

“Tudo flui”, dizia Heráclito. Tudo está em movimento e nada dura para sempre. Por essa razão, “não podemos entrar duas vezes no mesmo rio”.(GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia: romance da história da filosofia. São Paulo: Cia das Letras, 1995)

  1. (2,0)  Justifique a afirmativa, ou seja, por que o filósofo afirma categoricamente a impossibilidade de se entrar por duas vezes no mesmo rio?

R: Dado que na segunda vez, devido a mutabilidade natural, o rio já não é o mesmo, tão pouco o homem é o mesmo. Experiências e correnteza alteram a substância inicial.

Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia, tudo passa, tudo sempre passará.(Como uma onda, Lulu Santos e Nelson Motta)

4. (2,0)  Associe o trecho da canção acima a uma corrente filosófica e a um filósofo.

R: Pré-Socráticos; Heráclito.

“Tales foi o iniciador da filosofia da physis, pois foi o primeiro a afirmar a existência de um princípio originário único, causa de todas as coisas que existem, sustentando que esse princípio é a água. Essa proposta é importantíssima… podendo com boa dose de razão ser qualificada como a primeira proposta filosófica daquilo que se costuma chamar civilização ocidental.” (REALE, Giovanni. História da filosofia: Antigüidade e Idade Média. São Paulo: Paulus, 1990. p. 29.)

5. (1,0)  A filosofia surgiu na Grécia, no século V a.C. Seus primeiros filósofos foram os chamados pré-socráticos. De acordo com o texto, assinale a alternativa que expressa o principal problema por eles investigado.

a)    A ética, enquanto investigação racional do agir humano.

b)    A estética, enquanto estudo sobre o belo na arte.

c)     A epistemologia, como avaliação dos procedimentos científicos.

d)    A cosmologia, como investigação acerca da origem e da ordem do mundo.

e)    A filosofia política, enquanto análise do Estado e sua legislação.

Alt: D

6. (1,0) Pode-se dizer que o conjunto das ideias sofistas se opõe ao propósito teórico dos pré-socráticos no tocante a que:

a)    os sofistas não defendem a possibilidade de verdades universais e os pré-socráticos buscam o princípio de todas as coisas. 

b)    os sofistas especulam sobre a origem de todas as coisas e os pré-socráticos admitem a possibilidade da verdade.

c)     os sofistas investigam o homem buscando saber por que tudo é como é e os pré-socráticos voltam-se para a physis ocupando-se com saber sobre o indivíduo.

d)    os sofistas entendem que a linguagem representa a realidade e os pré-socráticos buscam as regras da linguagem.

e)    Todas estão corretas.

Alt: A

 

1MA – 1MB – Gabarito de exercícios propostos (Grécia/Roma)

F1 – M9 – Pg. 36

2.

a) A proibição da escravidão por dívidas.
b) Sólon

5. B

 

F1 – M10 – p.39/40

2. A formação da cultura helenística, marcada pela fusão da cultura grega com a oriental, e a fragmentação do Império Persa, causada pelo fim do poder centralizado em um rei persa.

3. B

4. E

6. B

7. A

F1 – M11 – p.43

1. Roma, segundo o poeta Virgílio, foi fundada por Rômulo e Remo, tendo sido Rômulo o primeiro rei lendário da cidade. Historicamente, podemos dizer que Roma se originou de uma fortificação construída pelos habitantes do Lácio, para se defenderem das incursões etruscas.

3. O rei dependia do Conselho dos Anciãos (Senado). A Assembleia Curiata votava as leis e aprovava a guerra.

5. A

F1 – M12 – p.45/46

1. A

2. Cônsules: principais magistrados, eram os verdadeiros chefes da República, com a função de comandar o Exército, convocar o Senado e presidir cultos públicos; questores: exerciam a administração do erário público e o recolhimento dos impostos;
censores: antigos cônsules, escolhidos a cada cinco anos, sendo suas funções elaborar o álbum senatorial, fazer o recenseamento dos cidadãos e zelar pela moral pública.

3. a) As lutas sociais, pelas quais a plebe reivindicou melhores condições de vida e igualdade de direitos.

b) A Lei Licínia proibia a escravidão por dívidas; os Tribunos da Plebe defendiam os interesses dos plebeus no Senado, podendo vetar as leis que fossem contra os interesses da classe.

4. Apesar de a palavra “república” (do latim res publica) significar “coisa pública”, na realidade os patrícios detinham o controle do poder político no Senado, por meio das magistraturas, e na Assembleia Centuriata

7. C

F1 – M13 – p. 48/49

1.A Primeira Guerra Púnica (264-241 a. C.) ocorreu em razão da disputa pelo controle da Sicília; ao final, Roma obteve – além da Sicília – Córsega e Sardenha.

Na Segunda Guerra Púnica (218-202 a. C.), Roma recebeu o controle sobre o norte da África e a Espanha.

Na Terceira Guerra Púnica (150-146 a. C.), Roma derrotou Cartago e passou a controlá-la.

2. A

3. Ao final dessa primeira grande expansão, Roma tornou-se um vasto império, a cujas necessidades políticas o Senado não conseguia atender.

5. A

F1 – M14 – p. 52

1. a) Ao final da República, no período das guerras civis; a luta entre Mário e Sila deu-se entre 88 e 83 a. C.

b) Eram generais romanos vitoriosos em campanhas no norte da África e no Mar Negro; Mário, eleito cônsul por seis vezes consecutivas, foi deposto por Sila, que governou como ditador.

4. B

5. A

6. A

F1 – M15 – p. 54/55

2. A presença do Exército nas províncias do Império para garantir os interesses romanos.

5. A

6. A

F1 – M16 – p. 59/60

1. Foi o Edito realizado pelo imperador Constantino, que legalizou o cristianismo no Império, proibindo as perseguições.

2. a) Os cristãos negavam a autoridade divina do imperador e também não aceitavam a exploração do trabalho escravo.

b) Geograficamente, o Império Romano não possuía fronteiras internas; a resistência aos sofrimentos impressionou os pagãos, que se converteram ao cristianismo.

3. A

5. D

7. E

F2 – M4 – p. 82/83

2. Porque, durante o governo de Péricles, houve um grande estímulo à produção artística, quando se desenvolveram várias formas de arte. Por este motivo, Atenas se transformou em um centro de referência da cultura grega.

4. A

F2 – M6 – p. 91

2. O arco e a abóbada.

6. B

F2 – M7 – p. 96

6. C